quinta-feira, 19 de junho de 2014

Insone e inquieto.


Quem negligencia a própria origem há de se lembrar um dia de que o esquecimento é temporário. Cada um guarda em si todas as marcas da existência. Relembrar é nascer de novo.

Que o passar das horas anuncie não só a morte, mas também a esperança da imortalidade.

Tarefa para quando o silêncio for absoluto: ouvir-se.

Um comentário:

Anônimo disse...

Profundo, mas sem ir pro fundo, amigo... :)
Abs,
Edu