quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Eterno...



Vivo em eterno ruído porque pensamentos dissonantes não permitem o silêncio.

Vivo em eterna saudade porque amores perdidos no tempo estão vivos no esquecimento.

Vivo em confusos desejos porque minha esperança quer o que minha vida não precisa.

Vivo em meio aos que já não vivem porque, apesar do silêncio e da necessidade, ainda sinto.

Tarefa para depois da superação: anestesiar o momento.


Nenhum comentário: