sábado, 10 de dezembro de 2011

Concebendo, reconhecendo, sei lá...

Quando penso que cheguei, retorno. Quando penso que voltei, parto. Quando acho que parti, fiquei. Quando fico, retornei. Quando cheguei, ninguém estava lá.

O senso da perfeição nem de perto lembra a estreita periferia da razão. Porque a arte é tudo e nada... Porque a música é uma desengonçada junção de sete notas... Porque um quadro é apenas a lágrima colorida de um artista em preto e branco...

Se tem nexo, é fato. Se não tem, é poesia. Porque o verso é a seiva de um triste farrapo que se diz artista...

E o que se espera de nós?

Cautela...


Nenhum comentário: